Saiba o que é a fossa séptica biodigestora

Fossatrat
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no google
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no facebook

Esgoto tratado é uma das principais medidas sanitárias para evitar um número considerável de doenças. Comprovadamente a qualidade no tratamento de esgoto diminui o número de internações hospitalares e aumenta o nível de qualidade de vida médio. 

Mas no Brasil muitas regiões ainda não recebem este recurso, especialmente na área rural e nas regiões mais periféricas, que muitas vezes adotam meios pouco efetivos para lidar com seus dejetos. A fossa séptica biodigestora tem se mostrado como alternativa viável para contornar estes problemas.

Os antigos métodos de tratamento de dejetos tinham uma eficácia limitada, como a chamada “fossa negra”, que era empregada de forma muito rústica, direto no solo, o que causava danos  e possíveis contaminações ao lençol freático.

Desta forma, a instalação de fossas sépticas se tornou cada vez mais popular nas áreas rurais, que ainda possuem um déficit muito grande de saneamento público.

Ainda que bem mais seguras, as fossas sépticas ainda acabam sendo onerosas em muitos casos, porque precisam ser tratadas no local ideal, transportadas, limpas, e algumas áreas ainda podem possuir limitações quanto a isso.

O que é a fossa séptica biodigestora

Para contornar o problema de tratamento das fossas sépticas, que muitas vezes precisavam ser transportadas ou limpas no local, opções mais tecnológicas passaram a aparecer, com soluções químicas que auxiliam no tratamento dos resíduos, tratando os dejetos direto no lugar e devolvendo para o ambiente uma água atóxica para os lençóis freáticos.

Outro benefício da fossa séptica biodigestora é que, por ter um selamento e ser enterrada, não tem a tendência de acumular insetos, quando bem instalada.

A estrutura da fossa séptica

Captando os dejetos direto do vaso sanitário, sua instalação dá para um conjunto de três caixas d’água, que preferencialmente devem ser em fibra de vidro ou cimento, pois estarão enterradas, e com estes materiais o controle térmico é maior.

Na primeira das três caixas, onde os dejetos são depositados diretamente da casa através de uma instalação em PVC, costuma haver uma solução de 10 litros de esterco de boi fresco para cada 10 litros d’água.

O propósito deste composto é fazer a chamada biodigestão. No primeiro momento, os dejetos sólidos se assentam no fundo da caixa, no processo de decantação.

Os dejetos humanos são abundantes em diversos compostos. O propósito das soluções químicas biodigestoras é justamente processar estes materiais, pois nelas há outras bactérias que se alimentam do material atirado na fossa. 

Este processo leva o nome de fermentação química, onde a parte mais bruta dos compostos é consumida, liberando gases e diminuindo a toxicidade do material físico que resta.

Na medida em que a primeira caixa começa a transbordar, o líquido flui para a segunda, transportando os gases, que são liberados através de instalações na caixa, nessa fase os compostos orgânicos oferecem muito menos toxicidade, e estão enriquecidos com nitrogênio, fósforo, potássio e outros subprodutos do processo de fermentação.

Na terceira caixa fica depositada a solução final do processo, que costuma conter água limpa e dejetos sólidos enriquecidos, que podem muito bem ser usados como adubo.

Mas caso o proprietário prefira, poderá adicionar um filtro extra e usar uma base de areia para facilitar a absorção do líquido.

Com o uso de esterco de boi, o processo leva em média 120 dias, tendo capacidade média para o lançamento de 50 Litros diários de esgoto.

Apesar da efetividade, em determinadas áreas e em certos volumes de lançamento pode acabar havendo pouca viabilidade, como nas áreas urbanas sem saneamento público. Ocasionalmente as fossas podem acabar tendo problemas de entupimento de acordo com o volume lançado, além do processo, como um todo, ser um tanto lento.

Como alternativa, biorremediadores, que selecionam uma cultura de bactérias inofensivas ao homem, podem ser mais efetivas, rápidas e causar menos transtornos.

Os biorremediadores para fossa séptica

Essa solução é composta de um conjunto de bactérias que se alimentam das partículas dos dejetos lançados no esgoto. Elas metabolizam, imobilizam e absorvem gorduras, proteínas e açúcares através de processos aeróbicos (baseados na respiração das bactérias biorremediadoras como forma de alimentação) e anaeróbicos.

A Biotecnal, desenvolvedora do Fossa Trat, é especialista na produção destes compostos biorremediadores, produzindo soluções de alta tecnologia, utilizando apenas insumos naturais, que não oferecem nenhum risco a humanos, animais e aos lençóis freáticos.

E graças a sua estrutura designada, atua também na desobstrução preventiva de fossas e encanamentos, evitando cheiros e insetos. É mais potente, rápida e efetiva em evitar entupimentos e ocasionais transtornos relacionados, além de regulamentada e biosustentavel.

Em nossa página você pode entrar em contato com nossos consultores para entender mais sobre o processo, o volume necessário para sua fossa séptica biodigestora e outros tipos de encanamento, oferecemos todas as instruções necessárias para testar a tecnologia de nosso produto, que é natural, prático e econômico. Envie-nos uma mensagem!

Fossa Trat solução bio sustentável

Equipe Fossa Trat, especialistas em soluções Bio-Sustentáveis e em como acabar com seus problemas de entupimento e mau cheiro!

Este post tem 4 comentários

  1. benedito

    Tenho uma fossa biodigestor e coloco estervo bovino mensalmente. O fossatrat substituiria o esterco no processo?

    1. Fossatrat

      Para biodigestores residenciais sim! Biodigestores industriais a carga orgânica é maior, para essa situação temos outro produto!

  2. Vinicius

    Tenho um biodigestor residencial que tem retornado mau cheiro. O fostrat é indicado para esse problema?

    1. Fossatrat

      Olá, Vinicius. Tudo bom? É indicado sim.

Deixe uma resposta